desterro.

trinta e sete novos geólogos voltavam incrédulos e sem explicação para como que as pedras da colina do desterro amanheciam amontoadas, noite após noite, em formações silenciosas e uniformes, desde a volta do inverno na região. no início eram poucas e passavam despercebidas, mas progressivamente as pequenas coleções de pedras se estenderam por toda a colina, contando-se até então milhares, onde a vista alcançasse num dia de bom sol. os cientistas, para não decepcionar o clamor nacional, asseguravam vagamente que tratava-se de um raro fenômeno metereológico e de difícil previsão. o povo, muito mais sabido, não caía numa conversa dessas e tinha por si se tratar do trabalho de um anjo vago, que reservou sua eternidade para brincar com a razão dos homens.

[…]

quatro e quinze da manhã, dona angelita retorna a sua humilde casa, escondida embaixo da imburana, com as mãos vermelhas de pó de pedra. não aprendeu a contar, mas sabia que naquela noite havia movido com sua fé pelo menos uma montanha antes do amanhecer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: