canção de marlene.

meu peito-pássaro
assassinado
voa ferida que não cansa,
ao lado,
teu jeito torto ignorado
refúgio-quimera
espera,
o degrau que não alcança.
meu útero penhasco violado
destoa aos pedaços
e sangra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: