pássaro na vidraça.

as palavras saíam aos montes.
a cachaça era o jeito dele. até a sua respiração, eu não suportava mais.
traços do pai.
primogênita e cuidadora da família.

código.
vou me afastar, vou sair de cena, vou pedir licença.
lapso.
querer matar o filho. lapso: mal de família.
sobrenome – marido – ferro.
 
não aguento falar para os médicos, eles dizem que eu não tenho nada.
aqui eu não sei quem sou. eu não sou daqui.
vim porque me mandaram.
eu não sei mais falar.
eu só sei chorar, eu não sei mais falar.
não aguento mais trabalhar.
minha mãe estava cansada, deitou e morreu.

socorro.
ela nunca gostava de casa.
era uma menina que não gostava de nada.
fala sobre o pai com admiração.
tudo o que quisesse fazer, fazia.
eu não aguentei.
diz ter medo de ficar excedente.
sentia o corpo vibrar, ele parecia cheio.
e ele chora, e ela canta.

fala de uma sobrinha psicóloga que não sabe nem onde fica as ventas.
parecia que não se preocupava com isso,
parecia que queria isso.

pássaros na vidraça.
fala do sangue que escorre das suas pernas
como se escorresse toda com ele.
há um gozo nesse escorro.

não quero ser como um pássaro na vidraça
que bate na janela como se outro estivesse lá dentro.
não quero me espatifar.
quero voar.
me ajude.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: